terça-feira, 27 de novembro de 2012

Gratidão

Queria agradecer a você que confiou em mim, você que esteve do meu lado pelo que faço, pelo que amo. Obrigada a você que acreditou em todas as vezes que disse que só precisava de arte pra viver. Obrigada você que entendeu minhas dores, chorou comigo. Obrigada você que me amou pelo que sou, mesmo com loucuras e dinamismo. Obrigada você que entendeu meus inúmeros silêncios que diziam mais que qualquer virgula. Obrigada à você que não riu dos meus sonhos, obrigada você que me cuidou, que me viu cair e voar e amar e querer e sofrer e sorrir e emocionar e levar pro mundo inteiro o que eles não acreditavam mais existir. Obrigada por simplesmente acreditar nas minhas vontades. Obrigada por sorrir meu sorriso, olhar meus olhos, obrigada você. Por ser você.
Obrigada você que enxerga a guerreira que existe em mim e principalmente você que vê com clareza minha vontade de viver e ir pra longe de tudo e todos que apenas correm o risco de me atrasar.
Obrigada você que me entende quando sumo, quando não quero mais, quando tento mas desisto por não somar.
Obrigada você que confia até na minha respiração, obrigada você que me quer perto, que deseja meu amor, que vê pureza por trás dos meus olhos cansados em dias longos.
Obrigada você que me vê abatida e apenas me abraça.
Obrigada por entender minhas loucuras, meus sentimentos a flor da pele. Minha extrema vontade de ser mais a cada segundo.
Obrigada. Só viver. Só restar.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Sent.ir!

En pleuvait

O que quiseres, uma linha tênue colocada sob nosso caminho faria pontos referenciais, nomearia todos os sentimentos de formas claras. Uma única palavra te levaria pra longe, imagine, acredite.
Até quando podemos ser? Essa transparência só faz com que vejam através de você.
Imposição fraqueja mal preparado; Teu amor de véu, correndo atrás do inesperado; Sereno é apenas se for, ser. E no baque a senhora chora.
Aurora, dona. Pega tua aura e voa com a alma baixa. Por mais baixa, calcando, rastejando, almejando o inexplicável, o novo.
Queremos sempre, sem temer, lamente.
Na mente.




O que te faz bem também provoca dor.